• Ana Amélia de Cesaro e Aurélia Picoli

Não é brincadeira não...

O papel do brincar na vida da criança, principalmente na primeira infância é muito importante, pois é brincando que a criança desenvolve as suas principais capacidades como atenção, memória, imitação, além é claro de dar asas a sua imaginação.


O brincar tem o papel de potencializar o desenvolvimento, com isso potencializar o aprendizado sobre si mesmo, pois estimula a autoconfiança, autonomia, linguagem, concentração e a curiosidade.


E a brincadeira entra na vida deles como uma atividade individual até se transformar em uma oportunidade de socialização e autoconhecimento.

Dos 3 aos 5 anos, a palavra chave refletida no brincar é o conhecer. Sendo a criança com o objeto, guiado por suas percepções a partir do que vê (sensorial), ou do que pode exercer sobre os objetos: sacudir, rolar, fazê-lo cantar.


Fora as brincadeiras de faz de conta, que são o espelho do dia a dia da criança ou a projeção das animações que elas assistem ou das histórias que elas ouvem.


Mas mesmo sabendo de tudo isso, da importância desta fase do brincar, visivelmente percebemos as crianças brincando cada vez menos. Mas qual o real motivo? Elas não gostam mais de brincar?